Entrada
Entrada
O Centro
Investigação
Investigadores
Actividades Destaques 2015-2018 2014-2011 2010-2007 2006-2003 2002-1999
Formação
Publicações
Biblioteca
Redes Internacionais
Recursos Electrónicos
Call for Papers
Boletim
Ligações úteis
Contactos

English VersionCEC no FacebookCEC no YouTube
Entrada seta Actividades seta 2010-2007 seta Conferência de Everton Machado: "Orientalismo de um oriental"

Conferência de Everton Machado: "Orientalismo de um oriental"

Conferência: Orientalismo de um oriental:
Um romance da Índia portuguesa sobre a Índia britânica
Brâmanes de Francisco Luís Gomes (1829-1869)
Data: 27 de Abril de 2009
Local: Sala 5.1, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
15h00 – Conferência
17h00 – Trabalho de seminário

“Um romance da Índia portuguesa sobre a Índia britânica: orientalismo de um oriental”
Conferência no âmbito do Projecto Orientalismos

Cartaz-Download

Por Everton V. Machado

Amigo de Júlio Dinis e Tomás Ribeiro, o goês Francisco Luís Gomes (1829-1869) foi deputado regenerador em Lisboa. A sua obra “Os Brâmanes”, publicada originalmente em 1866, é o primeiro romance de língua portuguesa da Índia. Pode ser considerada como o primeiro livro de ficção a atacar o sistema hindu de castas e talvez o primeiro romance anti-colonialista da história da literatura moderna. Gomes ainda promove na intriga de seu livro um casamento inter-racial, num momento em que surgiam na Europa as teorias de degenerescência das raças. O discurso do autor é no entanto bastante ambíguo. Ao mesmo tempo que levanta a sua voz contra o racismo europeu, faz sua personagem feminina branca – em contraponto à personagem indiana – representar os mais altos valores morais. Ao mesmo tempo que reclama liberdade para a Índia, na esteira da famosa Revolta dos Sipaios (primeira tentativa séria de emancipação indiana ocorrida em 1857), exalta o modelo português de colonização. Ora, o drama não se desenrola na Índia portuguesa da qual o autor era natural mas no norte do país, então sob o jugo britânico: trata-se de uma crítica a um colonialismo desumano encarnado pelo regime inglês através da defesa de valores humanistas supostamente encarnados pela dimensão cristocêntrica da expansão colonial portuguesa. Além disto, e a despeito de sua naturalidade, o que Gomes escreve sobre a Índia não escapa ao discurso canônico da época na Europa, repetindo em seu romance estereótipos detectáveis na larga tradição orientalista que o intelectual americano de origem árabe Edward W. Said via como uma tentativa de reestruturação e dominação do Oriente.

 

Everton V. Machado reside em Paris, onde ensina português e cultura brasileira. Doutor em Literatura Comparada pela Sorbonne, com uma tese sobre o romance de Francisco Luís Gomes, orientada pelo Prof. Pierre Brunel. Esteve como investigador convidado em Goa, Nova Delhi, Lisboa e Jerusalém. É também jornalista e poeta. Prepara duas edições críticas (uma em francês, outra em português) do romance “Os Brâmanes”. Membro do CEC desde fevereiro de 2009.






| Imprimir | Adicionar aos Favoritos |

Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
conteúdos: © 2006 - 2017, Centro de Estudos Comparatistas
textos assinados: © autor respectivo