Entrada
Entrada
O Centro
Investigação
Investigadores
Actividades Destaques 2015-2018 2014-2011 2010-2007 2006-2003 2002-1999
Formação
Publicações
Biblioteca
Redes Internacionais
Recursos Electrónicos
Call for Papers
Boletim
Ligações úteis
Contactos

English VersionCEC no FacebookCEC no YouTube
Entrada seta Actividades seta Colóquio Internacional Cruzamentos Inesperados: Estudos de Tradução e Crítica Genética

Colóquio Internacional Cruzamentos Inesperados: Estudos de Tradução e Crítica Genética

Data: 8 - 9 de Novembro de 2017
Local: Anfiteatro III, FLUL
Cartaz


English version

ORADORES CONVIDADOS

CHIARA MONTINI (Institut des textes et manuscrits modernes/ENS-CNRS)
JEREMY MUNDAY (Centre for Translation Studies/University of Leeds)
JOÃO DIONÍSIO (Faculdade de Letras/Universidade de Lisboa)

Em 2015, Chiara Montini e Anthony Cordingley reconheceram a emergência de um novo campo e estudos, resultante da intersecção dos Estudos de Tradução com os estudos de Crítica Genética, a que sugeriram dar o nome de Estudos Genéticos de Tradução. Seguindo o método da Crítica Genética, propõe-se analisar o processo de trabalho do tradutor, a evolução e génese do texto traduzido, estudando os manuscritos, rascunhos e outros documentos de trabalho do tradutor (Cordingley & Montini 2015: 1). Com vista a aprofundar a reflexão sobre este tema, a presente conferência apresenta-se como um fórum de discussão do espaço liminar da tradução, isto é, enquanto espaço que discute o texto que está, simultaneamente, dentro e fora do texto (Lopes 2012: 130). Este espaço liminar materializa-se nos textos produzidos por corpos em movimento – autores, tradutores, revisores de texto, editores, casas editoriais, arquivistas, etc.

A materialidade dos textos produzidos por estes agentes da tradução tornou-se mais visível e acessível aos académicos com o desenvolvimento e proliferação das edições e dos arquivos digitais. Por exemplo, o escritor angolano Luandino Vieira foi, pela primeira vez, traduzido para o francês pelo seu compatriota e activista político Mário Pinto de Andrade. O arquivo digital Mário Pinto de Andrade, disponível no sítio de internet Casa Comum, permite aceder a documentação sobre a história da tradução de Luandino Vieira em França, no período de emergência dos movimentos pró e anti-negritude. Este arquivo digital inclui correspondência pessoal trocada entre o autor e o tradutor, mostrando tanto a preocupação do autor relativamente à recepção dos seus textos junto do público europeu, como a percepção das dificuldades que haveria com a tradução do seu trabalho, notas do tradutor sobre o autor e o seu trabalho, marcas de leitura, etc. A análise deste material, isto é, do texto que está dentro e fora do texto da tradução, possibilita o estudo exogenético e endogenético (Genette 1979) das traduções francesas de Luandino Vieira, e constitui, por si só, uma micro-história da tradução (Munday 2014).

As micro-histórias da tradução são construídas com base nos materiais pré-impressão dos tradutores, desde notas pessoais privadas, manuscritos, dactiloscritos, provas tipográficas,
bibliotecas privadas, cartas, entrevistas e outros testemunhos textuais (avant-texte), que revelam o seu processo de trabalho. Tal como os tradutores, também os editores são mediadores entre o texto e os seus potenciais leitores, consubstanciando esse acto de mediação em diferentes escalas. Estudar a intervenção dos vários actores envolvidos na edição de um texto pode iluminar a respeito dos múltiplos constrangimentos que afectam o texto, o contexto sociocultural em que um agente actua, os papéis desempenhados pelos diferentes intervenientes no processo de composição textual, tomadas de decisão, conscientes ou inconscientes, que podem revelar normas de tradução ou relações de poder implicadas no sistema geocultural em que os agentes se inscrevem e movimentam.

Em suma, esta conferência tratará das vantagens que podem resultar da intersecção entre estes dois campos de estudo, com vista a mostrar como a Crítica Genética pode ajudar os Estudos de Tradução a reflectir sobre a figura do tradutor e o processo criativo envolvido no acto de tradução.

REFERÊNCIAS

  • Cordingley, Anthony, & Chiara Montini. 2015. Genetic translation studies: an emerging discipline. Linguistica Antverpiensia, New Series: Themes in Translation Studies 14: 1–18.
  • Genette, Raymonde Debray. 1979. Génétique et poétique: le cas Flaubert. In Essais de critique génétique. Paris: Flammarion, 21-67.
  • Lopes, Alexandra. 2012. Under the sign of Janus: reflections on authorship as liminality in translated literature. Revista Anglo Saxonica III (3): 129-156.
  • Munday, Jeremy. 2014. Using primary sources to produce a microhistory of translation and translators: theoretical and methodological concerns. Translator: Studies in Intercultural Communication 20 (1): 64-80.

COMISSÃO ORGANIZADORA

ARIADNE NUNES (CEC, Universidade de Lisboa)
JOANA MOURA (CEC, Universidade de Lisboa/SUNY Stony Brook)
MARTA PACHECO PINTO (CEC, Universidade de Lisboa)

Actividade conjunta entre os projectos MOV e Textualidades do Centro de Estudos Comparatistas.






| Imprimir | Adicionar aos Favoritos |

Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
conteúdos: © 2006 - 2017, Centro de Estudos Comparatistas
textos assinados: © autor respectivo