Entrada
Entrada
O Centro
Investigação
Investigadores
Actividades
Formação
Publicações Revista Textos e Pretextos Série ACT Livros Revista Dedalus Revista estrema
Biblioteca
Redes Internacionais
Recursos Electrónicos
Call for Papers
Boletim
Ligações úteis
Contactos

English VersionCEC no FacebookCEC no YouTube
Entrada seta Publicações seta Revista Textos e Pretextos seta O Silêncio

O Silêncio
ImageTextos e Pretextos Nº 4
Edição: CEC
Ano: 2004
Preço: 5€

Depois de ter sido repudiada por Narciso, Eco retirou-se para o mundo sombrio de cavernas e vales frios, onde escondeu os vestígios do seu corpo de ninfa. Sem corpo, apenas a sua voz subsistiu. Muitos consideraram que Eco agiu desta forma por desgosto amoroso. E talvez tenha sido assim a princípio. Mas no escuro, Eco, incorpórea e imortal, cedo começou a tecer os fios da sua vingança contra os mortais que, como Narciso, não entenderiam nunca a sua linguagem fragmentada. Esperou o tempo necessário e aos poucos (para não denunciar a sua empresa) começou a sair dos seus locais de exílio. Por sua influência, foram inventadas máquinas que transportam e produzem sons. Por seu capricho, também as imagens (primeiro congeladas, depois com movimento) entraram no seu domínio. Hoje, imagens e sons reproduzem-se num ritmo estonteante, numa espiral de ruído, que nos atordoa, mas da qual não conseguimos fugir. A nossa visão do mundo está estilhaçada em muitos pedaços, alguns escondidos e quase perdidos, outros muito visíveis e reproduzidos à saciedade. Eco domina as nossas vidas e, presidindo o Olimpo dos tempos modernos, daí executa calmamente a sua vingança.
 No entanto, existe uma maneira de anular o ruído dominante e voltar a construir um sentido para as coisas: respondendo a Eco com o silêncio.

João Ribeirete

 

TEXTURAS

  • “Silêncio: impossibilidade e urgências poéticas em Luíza Neto Jorge”, Ana Luísa Alve
  • “Ouvir o silêncio”, Maria João Mayer Branco
  • “Quando o silêncio se faz corpo: o inconfessável desejo da escrita medieval”, Carlos F. Clamote Carreto
  • “Story of a Prague silence: when realism becomes taciturn”, Matteo Colombi
  • “Mo(vi)mentos de silêncio: de Penélope a Mallarmé”, Ana Sofia da Siva Couto
  • “Loquacidade do silêncio”, Tito Cardoso e Cunha

CONTRA-SENHA (Testemunhos)

  • Fernando Campos;
  • Maria Teresa Dias Furtado;
  • Jorge Matnas;
  • Margarida Braga Neves

CONTRA-SENHA (Reportagens)

  • A religião: do vazio à fecundidade, Cláuda Coutinho e Sara Ramos Pinto
  • A arquitectura: Manuel Graça Dias: (entre)vistas e silêncios, Ana Raquel Fernandes, Ricardo Faria e Susana Carneiro
  • “A pintura: O silêncio na pintura: reflexões em torno de alguns quadros de Vermeer, Friedrich e David”; Margarida Calado
  • “A dança: O silêncio do corpo: entre imobilidade e movimento”, Orlanda Azevedo
  • Maria Velho da Costa (inédito)
  • António Ramos Rosa (inédito)
  • Manuel da Silva Ramos (inédito)

Variações (entrevistas)

  • António Ramos Rosa
  • Urbano Tavares Rodrigues
  • Jorge Silva Melo
  • Graça Morais
  • José Manuel Rodrigues
  • Né Barros

Antologia (Poesia, Imagens e Banda-Desenhada)

Textualidades (Bibligrafia Temática)







| Imprimir | Adicionar aos Favoritos |

Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
conteúdos: © 2006 - 2017, Centro de Estudos Comparatistas
textos assinados: © autor respectivo