Entrada
Entrada
O Centro
Investigação
Investigadores
Actividades
Formação
Publicações Revista Textos e Pretextos Série ACT Livros Revista Dedalus Revista estrema
Biblioteca
Redes Internacionais
Recursos Electrónicos
Call for Papers
Boletim
Ligações úteis
Contactos

English VersionCEC no FacebookCEC no YouTube
Entrada seta Publicações seta Livros seta A Sabedoria da Incerteza: Imaginação Literária e Poética da Obrigação

A Sabedoria da Incerteza: Imaginação Literária e Poética da Obrigação
Autor: Ricardo Gil SoeiroImage
Edição: Húmus
Ano: 2015

 A Sabedoria da Incerteza: Imaginação Literária e Poética da Obrigação. Broch, Coetzee, Lispector, Llansol e Vila-Matas.

Partindo do conceito de Sabedoria da Incerteza formulado por Milan Kundera no ensaio "A herança depreciada de Cervantes" (in: A Arte do Romance), o presente estudo visa reflectir sobre os diversos modos como a imaginação literária encerra uma poética da obrigação. Na óptica de Kundera, o fundador dos tempos modernos não terá sido somente Descartes, mas também Cervantes, na medida em que compreender "com Cervantes o mundo como ambiguidade, ter de enfrentar, em vez de uma verdade absoluta, um monte de verdades relativas que se contradizem (verdades incorporadas incorporadas em eegos imaginários chamados personagens), possuir pois como única certeza a sabedoria da incerteza, exige uma força não menos grande (do que a de Descartes)." Para além da incerteza que caracteriza a imaginação literária, é ainda possível nela surpreender aquilo que, na esteira de John Caputo, se poderia designar por Poética da Obrigação, isto é, a capacidade exibida pela literatura de, através da sua renúncia a uma perspectiva única e à rigidez de verdades absolutas, se abrir à plural experiência da alteridade. É à luz desta dimensão ética que se procede à leitura das seguintes obras literárias: Der Tod des Vergil (1945), de Hermann Broch; Elizabeth Costello (2003), de J.M. Coetzee; Água Viva (1973), de Clarice Lispector; Lisboaleipzig I. O Encontro Inesperado do Diverso (1994), de Maria Gabriela Llansol; e Bartleby y Compañia (2000), de Enrique Vila-Matas.  

Consulte aqui o índice .






| Imprimir | Adicionar aos Favoritos |

Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
conteúdos: © 2006 - 2017, Centro de Estudos Comparatistas
textos assinados: © autor respectivo